OiToronto

Toronto entre as metrópoles mais seguras do mundo

por
- Post atualizado em: 28 Jul 2011

Ao contrário do que pensam muitos canadenses, que rotulam Toronto de “perigosa” e “violenta”, a proporção de homicídios da maior cidade do Canadá varia entre 2 e 3 para cada 100 mil habitantes. Já a taxa de crimes em geral caiu cerca de 30% nos últimos 10 anos e é uma das mais baixas se comparada a outras metrópoles norte americanas. “Nunca estivemos tão seguros”, afirma especialista em criminalidade.

Policial canadense tem rotina tranquila. - foto: http://www.flickr.com/photos/fortinbras/

A criminalidade está presente em todos os países do mundo, independentemente da qualidade de vida que eles proporcionam aos seus habitantes. O que muda de país para país, de comunidade para comunidade, é a taxa de incidência, as causas e os efeitos da criminalidade, assim como o método de prevenção e repressão para combatê-la.

Com este artigo procuro esclarecer um pouco sobre a natureza da criminalidade em Toronto, uma das metrópoles mais seguras da América do Norte e referência mundial em segurança pública, mas que ao mesmo tempo é frequentemente taxada por canadenses como a mais perigosa metrópole do Canadá.

Pergunte a qualquer brasileiro morando em Toronto qual a maior vantagem de se morar por aqui, e ele provavelmente responderá “a sensação de segurança” que se tem no dia a dia: na madrugada, de manhã, à tarde, à noite; nas ruas, em eventos públicos, no trânsito, em casa. Segurança é um dos principais fatores que levam o brasileiro a imigrar para o Canadá.

Portanto, o fato de que grande parte dos brasileiros que vive no exterior nasceu em algumas das cidades mais violentas do Brasil não é mera coincidência. Apesar de ter residido no exterior em minha infância e adolescência, apenas recentemente passei a valorizar a sensação de segurança que Toronto oferece. Ter de estar alerta enquanto andando pelas ruas, dirigindo, entrando em casa, ou até mesmo em um “luau” na praia – minha única experiência de assalto no Brasil – realmente deteriora sua qualidade de vida.

Essa sensação de segurança não é apenas sensação. Toronto é de fato uma das metrópoles mais seguras da América do Norte e do mundo. A taxa de homicídio aqui tende a variar entre 2 e 3 homicídios para cada 100 mil habitantes.

Para se ter uma ideia, Natal (RN), considerada uma das capitais mais seguras do Brasil, tem uma taxa de homicídio de aproximadamente 21 para cada 100 mil habitantes. A taxa nacional brasileira subiu cerca de 30% nos últimos 10 anos e é de 25 para cada 100 mil habitantes. Já a taxa de crimes em geral em Toronto caiu cerca de 30% neste mesmo período, e se destaca mesmo comparada a outras metrópoles norte americanas.

A taxa de homicídio em Detroit (MI), Chicago (IL) e Nova Iorque (NY) são aproximadamente de 30, 15, e 6 para cada 100 mil habitantes, respectivamente. O mesmo padrão se observa em taxas de outros tipos de crime, como assalto. Mas quais são os motivos que contribuem para essa segurança?

Teorias de criminologia reconhecem que diferentes fatores contribuem para a criminalidade de uma comunidade. O baixo índice de crimes em Toronto é, portanto, resultado de vários fatores sociais que juntos contribuem para uma comunidade mais segura. A cultura, a qualidade da educação e a baixa taxa de desemprego são exemplos.

Governo tolerante

A atual posição postura política sobre o uso de drogas também contribui para a sensação de segurança. Apesar de ilegal, há tolerância para com o uso de drogas derivadas da cannabis sativa – como haxixe e maconha – entre outras. Isso impede que o uso moderado de drogas, e consequentemente o tráfico, gere criminalidade como ocorre nos EUA e América Latina. Pequenos delitos cometidos por jovens, frequentemente membros de gangs, e violência entre eles são os tipos de crimes mais comuns em Toronto, mas que, no geral, não interferem na sensação da segurança pública da população.

Entenda como funciona a polícia

A polícia também faz parte dessa equação. As forças policiais no Canadá são dividas por distritos, sendo a Toronto Police Service responsável pelo policiamento em Toronto e a Peel Regional Police pelo policiamento na Greater Toronto Area.

The Royal Canadian Mounted Police é a polícia federal canadense e há também forças policiais provinciais, como a Ontario Provincial Police, que além de estradas e parques estaduais policiam também algumas pequenas municipalidades.

O tratamento faz a diferença

Conheço policiais e oficiais de polícia aqui em Toronto e já fui “vítima” de “batidas” policiais. Digo “vítima” e “batida” entre aspas pois, para um brasileiro, as batidas policiais – e me refiro às de rotina – que se “sofre” no Canadá – mais uma vez, as aspas – são, em sua maioria, calmas e respeitosas. Para tudo o policial diz please, sorry e thank you. Minha intenção não é generalizar, pois assim como nem todo policial no Brasil é corrupto – e não estou dizendo que são em sua maioria – nem todo policial no Canadá demonstra tamanha educação, como target=”_blank”>este que foi flagrado no G20. Mas, no geral, policiais por aqui tentam ser pacientes, indispensável para lidar com tamanha população de imigrantes. Eles tomam cuidado também para agir dentro dos limites da lei, já que qualquer desrespeito ao cidadão que esteja de fato cometendo um crime, por exemplo, pode tornar o ato impunível. Veja o polêmico caso de R. V. Harrison, 2009 SCC 34.

Policiais nas escolas

As ações da polícia no Canadá vão além do policiamento ostensivo, a preservação da ordem pública e a investigação criminal. No ano passado, em uma conversa com o chefe da polícia de Toronto, William Blair, ele me descreveu um programa que coloca policiais em elementary schools e high schools para que possam estabelecer bons relacionamentos com os estudantes, para que formem uma visão positiva da polícia. Já que policiais tendem a aparecer na mídia apenas quando cometem delitos, disse William, esse programa permite que as crianças vejam policiais como amigos e não só como autoridades, ou pior, inimigos. Apesar de eu ser contra a filosofia na qual se baseiam forças policiais, no Canadá é indiscutível o fato de que elas contribuem para o baixo índice de criminalidade.

Pontos fracos

Na minha opinião, por causa da rotina tranquila do policial canadense  – grande parte dos policiais, por exemplo, se aposenta sem nunca sequer sacar a arma, já que só se saca a arma para atirar e só se atira para salvar vidas – ações policiais como as do G20 em Toronto em junho do ano passado mostram o despreparo da polícia para lidar com situações extremas. Também há grande polêmica em relação ao uso de tasers, que na minha opinião, também é fruto do despreparo policial devido à sua rotina excepcionalmente tranquila. Veja o caso de Robert Dziekański.

Rótulo mal empregado

Se Toronto é de fato uma metrópole segura, por que então canadenses insistem em rotulá-la de perigosa e violenta? A resposta é simples. O recorde de homicídios num só ano em Toronto foi de 89 no início da década de 90. Toronto registra a cada ano o maior número de homicídios do país, variando de 60 a 80. Já Edmonton, por exemplo, que em meados da década passada se tornou a mais violenta entre as principais cidades do Canadá, registrou cerca de 40 homicídios. É fácil, então, chegar à conclusão que Toronto é a mais perigosa, afinal, registrou o maior número de assassinatos.

Nunavut e Northwest: as mais violentas

Mas o fato é que se deve levar em consideração a taxa de homicídio, geralmente medida a cada 100 mil habitantes, e não o número total de homicídios. É a proporção das ocorrências nas diferentes cidades, e não o número de ocorrências, que melhor reflete o nível de segurança da comunidade. As províncias mais perigosas e violentas do Canadá são de fato Nunavut e Northwest Territorries, onde a taxa de homicídio ultrapassa os 6 para cada 100 mil habitantes. Isso é resultado principalmente do altíssimo consumo de bebida alcoólica na região e do isolamento de muitas comunidades. Há também uma correlação com o nível de escolaridade que é o mais baixo do Canadá.

“Nunca estivemos tão seguros”

A mídia local e nacional também é responsável pela má interpretação dos fatos. Cada vez mais temos a sensação de que vivemos em tempos mais violentos, mas a verdade é justamente o contrário: nunca estivemos tão seguros quanto nos dias de hoje. E isso vale não só para Toronto e as cidades canadenses, mas também para cidades no mundo inteiro, inclusive as brasileiras. E por que, então, nunca ouvimos falar sobre isso da mídia?

Como muitos, creio que o governo vê o medo como parte fundamental de uma sociedade bem estruturada. Falar para as pessoas temerem estranhos, tomarem cuidado ao sair de noite e protegerem a si e a seus pertences a todo custo, isso faz com que elas se tornem mais cautelosas. E quanto mais cautelosa for a comunidade, mais submissa ela é e menos trabalho dá.

É difícil encontrar uma casa na Greater Toronto Area que não tenha alarmes de segurança de última geração em todas as portas e janelas. O fato de a GTA ser uma das regiões mais seguras do mundo, onde um homicídio é capaz de chocar comunidades inteiras, para a mídia é um mero detalhe. O que importa é que de uma forma ou de outra, temos de nos proteger. Só não perguntem a eles de quem ou por quê.

Vale dizer que as informações fornecidas neste artigo, como as taxas de homicídio, índices de criminalidade etc, não vieram de fontes atualizadas e oficialmente reconhecidas, mas sim do meu estudo sobre criminologia em Toronto nos últimos anos.

Por: Bruno Vompean

Bruno, 25, é natural de Santo André (SP) mas morou metade de sua vida fora do Brasil em paises como Chile, Argentina, e Canadá. Desde 2007, estuda Filosofia e Criminologia na Universidade de Toronto, e é também instrutor do "Center for International Experience" da mesma universidade. [ email ]

  1. Bruno, gostaria de saber sobre a programação das TVs do Canadá, e qual é o hábito da população, em relação a assistir televisão. Estou escrevendo uma monografia que se refere à influência das tvs no comportamento agressivo da população. Obrigado.
    Luiz

  2. È Claro que no Canadá é diferente, do que no Brasil, mais tranquilo, menos violência, gostaria de até morar no Canada exemplo de país, já no Brasil, não é assim, pois começa que grave problema histótico a colonização portuguesa, ema das piores, justamente no Brasuil, veio a escória para cá, ficando assim a corrupção enraizada e a malfadada incopettência, mas o povo colabora com isso aqui no Brasil, mas há outros países fortes, por exemplo a Alemanha, ocidental que teve que unifacar com a Alemanha Oiriental, em piores condições, mas esse processo de unificação foi bem sucedido, enquanto que no Brasil isso não acontece devido há um dos piores governos do mundo O BRASILEIRO, enfim o Brasil é mediocre em um bom comportamento social, volto a dizer com toda a culpa do Governo e conivencia de boa parte da sociedads, principalmente RICA, Burguesia fede, como diria, CAZUZA.

  3. Saulo Nunes disse:

    · Responder

    Olá, Bruno. Eu moro em Campina Grande, na Paraíba (Brasil), sou agente penitenciário e jornalista (atuei por uns cinco anos na imprensa antes de ingressar na área da segurança pública) e com essas duas experiencias criei um site que trata exclusivamente de segurança (polícia, bombeiro, sistema prisional, poder judiciário, etc.), além de apresentar um programa semanal numa emissora de radio, também com o tema “segurança pública”.

    Nas minhas ‘navegadas’ pela net, atraquei aqui no seu artigo, por sinal muito rico em informações. Na verdade, os números apresentados por você chegam a soar como “inacreditáveis”. Pelo que pesquisei agora mesmo na internet, Toronto tem em torno de 2,8 milhões de habitantes e registra 60… 80 assassinatos por ano. Só para sentirmos o drama: a população de Campina Grande não chega a 400 mil pessoas, e a cidade foi palco de 171 homicídios em 2012…

    Estamos em Abril de 2013, e o nosso “homicidômetro” já marca 67 crimes letais intencionais. Ou seja, se formos nesse ritmo, teremos em torno de 250 assassinatos até o final de dezembro.

    João Pessoa, a nossa capital, tem em torno de 800 mil habitantes e uma ‘nódoa’ de mais ou menos 500 assassinatos no ano passado. Ou seja, o caos total.

    Hoje mesmo, por coincidência, eu estava pesquisando sobre os índices de homicídios no mundo. Encontrei alguns dados no Wikipedia, não sei exatamente até que ponto os números são confiáveis, mas acredito que não fogem muito da realidade.

    Gostaria muito que, se for possível, você me enviasse alguns dados sobre segurança/violência/criminalidade aí do seu país, para que eu possa me embasar nos meus artigos e nas informações do meu programa também.

    No mais, estou à disposição para o que for preciso.

    Grande abraço e parabéns por conseguir passar ao menos uma semana sem ler ou ouvir notícia de assassinatos num raio de 1 km que o rodeia…

  4. Bruno, tudo bem? Achei interessantíssima sua matéria. Um dos meus maiores sonhos é ir morar no Canadá com minha esposa e meu filho – que nasceu faz pouco tempo. O motivo? Justamente o que você retrata no seu artigo. Estou me formando em Engenharia ano que vem e estou cansado, mas cansado mesmo de tanta insegurança neste Brasil – fruto da total incopetência dos partes dos ditos “governantes” em não resolverem essa situação. Quero viver em um país onde se vê qualidade de vida de verdade e não campanhas mentirosas afim de obtenção de votos.

    Gostaria de saber de sua parte como está o mercado de trabalho para Engenheiros recém-formados. Não precisa ser necessariamente em Toronto, mas em qualquer lugar deste belo país.

    Abraços amistosos.

  5. Fabiano Mendes disse:

    · Responder

    Parabéns Bruno pela matéria. Muito informativa e interessante.

    Gosto de ver quanto matérias jornalísticas refletem a relalidade e não dados distorcidos.

    Sou policial aqui no Canadá e ex-policial no Brasil. O único aspecto que discordo em relação ao seu artigo é a menção ao dispreparo do policial Canadense.

    Felizmente, aqui no Canada, os treinamentos e cursos mandatórios (pela própria instituição ou por normas provinciais ou federais) são muito mais frequentes e os mais variados possíveis.

    Infelizmente o Policial brasileiro é obrigado a trabalhar com uma grande carga de stress, com equipamentos defeituosos, falta de apoio e incentivo institucional e governamental e baixos salários. Apesar de tudo isso e da falta de apoio e respeito da populacão para com o policial brasileiro, eles ainda conseguem milagrosamente desempenhar um grande trabalho.

    Temos o privilégio de morar aqui no Canadá, um dos países mais seguros do mundo.

    Novamente parabéns e obrigado pela excelente matéria.

    Fabiano Mendes

    • Fabiano, quando falo do despreparo do policial no Canadá, me refiro ao fato de que devido a sua rotina relativamente tranquila, o policial não pode contar com sua experiência para lidar com certas situações, já que ele não a tem. Mas claro, o policial no Canadá conta com excelentes treinamentos e cursos, enquanto no Brasil o policial enfrenta todas as dificuldades que mencionou…

      obrigado, e se possível, entre em contato comigo por e-mail!

  6. Hudson disse:

    · Responder

    Bruno, parabéns pela matéria. Clara, bem escrita e informativa. Continue com o bom trabalho.

    Não sei se a questão do “direito de autor” faz parte da tua área, mas é algo que eu tenho curiosidade em saber mais de como isto funciona aqui no Canadá… como por exemplo, o direito de privacidade do cidadão comum ao ser fotografado ou filmado nas ruas… ou ainda, sobre as câmeras de vigilância da prefeitura na cidade.

    • Hudson disse:

      · Responder

      Esqueci de dizer que essa questão do direito de privacidade e de autor é muito mais uma dica para um futuro post do que necessariamente uma pergunta.

      • Legal Hudson, valeu, eu vou escrever um artigo sobre como funciona o direito no Canadá no geral, já que o sistema é muito diferente do Brasil. Vou tocar na questão da privacidade com certeza… já o do autor… vou procurar saber um pouco mais a respeito e te informar, já que também acho interessante essa questão. Abraço!

  7. Achei muito interessante as informações sobre a segurança que a cidade oferece, inclusive nas escolas etc…Todavia, gostaria de saber qual o caminho a ser tomado em caso de um roubo, um assalto. À quem recorrer de imediato? Alguém tem um site útil?

Deixe um comentário

Seu email não será publicado.

Leia também

Nova iluminação em cartão postal
Depois de uma década, Restaurante Cajú fecha as suas portas
Union Station passa por reforma de $1 bilhão